Nos cinemas

Confira a seguir as críticas da principais estreias da última sexta-feira, 21 de janeiro, por Edu Fernandes e Bruno Palma
(textos originais publicados no blog Cine Dude)


"Biutiful"
Por Bruno Palma

"Biutiful" conta a história de Uxbal - interpretado por Javier Bardem -, um pai de dois filhos que lida com uma ex-mulher completamente desequilibrada e com os problemas envolvendo seu arriscado trabalho, ilegal, já que lida com trabalhadores sem autorização de entrada na Espanha, mas ao mesmo tempo com um senso humanitário. A vida de Uxbal começa a ruir por completo quando ele recebe a triste notícia de que está morrendo.

Apesar de trabalhar com aspectos já desenvolvidos em outros de seus filmes - como a dificuldade gerada pela diferença de línguas e culturas de "Babel" -, no longa, Iñárritu foge do que parecia ser sua fórmula. Dessa vez o diretor mexicano não conta histórias distintas com pontos de conexão entre si.

Ao invés disso, a mesma história carrega uma porção de elementos dos mais diversos, de romance e relação familiar a preconceito, drogas, sexualidade mal resolvida e até um pouco do mundo sobrenatural. Iñárritu poderia muito bem explorar com maior profundidade qualquer um desses vieses, inclusive o estado terminal da doença do protagonista. Se seguisse esse caminho, poderia facimente cair em clichês e acabar transformando seu filme numa cafonice melodramática. A solução foi deixar os elementos ali, só aparentes, sem nenhuma resolução. O resultado é interessante e instigante, já que deixa em aberto uma série de questões.

Não tem como não dizer que o grande trunfo do filme é Javier Bardem. Sua atuação é brilhante e comove, não através de exageros, mas justamente por ser o tempo todo contida, dando uma carga emocional extremamente pesada e sombria a seu personagem. Maricel Álvarez, que faz o papel de Marambra, o complicado par romântico de Uxbal, não fica atrás e chega até a roubar a cena em dados momentos.

Direção:
Alejandro González Iñárritu
Roteiro: Alejandro González Iñárritu, Armando Bo, Nicolás Giacobone
Elenco: Javier Bardem, Maricel Álvarez, Hanaa Bouchaib, Guillermo Estrella, Eduard Fernández
Duração: 147 minutos
País: Espanha, México
_____________________________________________________

"Zé Colmeia - O Filme" (Yogi Bear)

Humor Hanna-Barbera
Por Edu Fernandes


A infância de gerações foram marcadas pelas aventuras de um urso guloso e muito inteligente. O desafio para "Zé Colmeia – O Filme" (Yogi Bear) fazer sucesso no cinema é grande: cativar as crianças de hoje em dia, ter uma linguagem de acordo com valores éticos atuais e ainda não desagradar os fãs mais antigos. A boa notícia é que todas essas tarefas foram cumpridas pela produção.

A opção de misturar personagens animados com atores de carne e osso leva a uma lembrança de "Scooby Doo", que não emplacou nos cinemas. O melhor é deixar essas lembranças amargas para trás e embarcar nas peripécias de Zé Colmeia, sempre acompanhado pelo Catatau. Para os fãs brasileiros vale informar que a dublagem usou as mesmas vozes do desenho animado para os ursos.

As piadas de pastelão originadas pelos planos de Zé Colmeia para roubar cestas de comida dos visitantes do parque continuam presentes. Esses momentos foram muito bem inseridos em uma história que traz a preocupação ecológica como tema. Assim, constrói-se um roteiro verdadeiramente cinematográfico sem macular a aura do personagem.

Outro ponto engraçado é perceber que o vilão é o prefeito: um político que anseia cargos públicos mais altos, em campanha para ser governador. Uma das características mais malvadas dele está em não se preocupar com as contas da sua gestão e tentar cobrir os rombos com privatizações. Qualquer semelhança com a realidade pode deixar os espectadores mais conscientes um pouco tristes na sessão de um filme cômico.

Direção: Eric Brevig
Roteiro: Jeffrey Ventimilia, Joshua Sternin, Brad Copeland
Elenco: Dan Aykroyd, Justin Timberlake, Anna Faris, Tom Cavanagh, T.J. Miller, Nathan Corddry, Andrew Daly
Duração: 80 minutos
País: EUA, Nova Zelândia
_____________________________________________________

"O Turista" (The Tourist)

Bons ingredientes com resultado fraco
Por Edu Fernandes


"O Turista" (The Tourist) é uma comédia de ação estrelada por Johnny “Capitão Jack Sparrow” Depp e Angelina “Salt” Jolie, com direção de Florian Henckel von Donnersmarck (o nome do diretor de "A Vida dos Outros" é grande demais para um apelido). A história do filme se passa em Veneza e, além da beleza do cenário, há até cenas de perseguição pelos canais. Com essa receita, é difícil conceber o quanto o filme é fraco.

Um exemplo disso está em uma das cenas de perseguição a barco. Em certo momento, Frank (Depp) cai na água com um inimigo e percebe-se claramente que a briga aquática foi filmada em estúdio, em um tanque d’água.

As falhas de "O Turista" estão nos detalhes e no âmbito geral também. O que se espera de qualquer comédia de ação são bons momentos cômicos e cenas empolgantes. Todas as passagens engraçadas do filme estão no trailer e a emoção das perseguições e fugas deixam a desejar.

O que resta é o elenco, e mesmo assim é preciso fazer ressalvas. Os dois competentes atores só falham em algo que está além do controle deles: não há química entre os personagens. Assim a torcida por um final feliz e o entusiasmo do público ficam comprometidos.

Direção: Florian Henckel von Donnersmarck
Roteiro: Florian Henckel von Donnersmarck, Christopher McQuarrie, Julian Fellowes
Elenco: Johnny Depp, Angelina Jolie, Paul Bettany, Timothy Dalton, Steven Berkoff, Rufus Sewell
Duração: 103 minutos
País: EUA, França

Confira a seguir os trailers do lançamentos:

"Biutiful"


"Zé Colmeia - O Filme"


"O Turista"

Creditos fotos e vídeos:
"Biutiful" Divulgação/Paris Filmes
"Zé Colmeia - O Filme" Divulgação/Warner Bros
"O Turista" Divulgação/Sony Pictures

Comentários