Cinema | Alpha Filmes inaugura Cine Drive-In em Barueri
Play | "Mulan", por Paulo Costa (Resenha)
Music | Alan Parker e "The Commitments - Loucos Pela Fama", por Rodrigo Fidalgo (Resenha)
Séries | "Boca a Boca", por Jurandir Vicari (Resenha)
Literatura | Chegou ao Brasil a nova fase dos Mutantes mais famosos da Marvel
Replay | "Whisky", por Rodrigo Fidalgo (Resenha)
Play | "SCOOBY! O Filme", por Jurandir Vicari (Resenha)

Cinema: "Se Beber, Não Case! Parte II"

O cenário mudou, o roteiro não
Por Amanda Santana


Banner oficial com os principais elementos da trama, uma trama manjada e desta vez sem graça (Divulgação)

Se Beber, Não Case! Parte II (The Hangover - Part II), em cartaz nos cinemas brasileiros desde o dia 27 de maio, estreiou com grande expectativa de público, isso porque o filme dirigido por Todd Phillips arrecadou mais de US$450 milhões nas bilheterias mundias em 2009.

Divulgação/Warner Bros.
Mas quem for assistir esperando grandes novidades, esqueça, pois não há novidade alguma. A base da história é exatamente a mesma do primero. Só que desta vez o filme cai o nível. Sim, cai o nível das piadas, e principalmente o nível de pudor.

A cidade de Bancoc, capital da Tailândia, é o cenârio da vez. Stu, o dentista que se envolveu em cenas hilárias no primeiro filme, vai se casar no país de origem de sua futura esposa e convida seus amigos para a cerimônia.

Alan, Phil e Doug, se juntam a Stu e o irmão da noiva Teddy, para uma despedida de solteiro, e assim como no primeiro filme, eles acordam no dia seguinte sem lembrar o que aconteceu na noite anterior. Doug é o único que não se envolve nas aventuras e fica no resort onde acontecerá o casamento, e será o mediador entre as aventuras em Bancoc e os preparativos do casamento.

O desenrolar da história se dá com o desaparecimento de Teddy, o filho querido do pai da noiva. Aos poucos os amigos vão tentando decobrir pitas e juntar fatos que os levarão a desvendar os mistérios da noite.

O cenário mudou, o roteiro não, porém decepcionante e baixo (Divulgação)
Elementos da cultura tailandesa ficam por conta do monge e um macaco que compõem a trama. Além de deixar a impressão de que Bancoc é apenas uma cidade de diversão e perversidade da Tailândia, reduzindo a importância que a cidade tem no país.

O personagem Alan dispara muitas piadas ao longo do filme que pouco dão vontade de rir. Mas o filme decepciona mais por conta do abuso de pornografia presente nas cenas. Há de se lembrar que o nível de perversidade dos personagens no primeiro longa já é grande. Mas a exposição de nu frontal masculino diante das câmeras, que acontece neste, é um elemento dispensável.

A famosa cena "Vamos olhar só uma vez e depois apagar!" se repete, mas dessa vez não teve graça (Divulgação)

O uso do artifício polêmico indica que o próprio diretor não confiou tanto na capacidade de conseguir entreter só com o uso do humor nos diálogo, que realmente é uma tarefa difícil, mas que o diretor consegue em boa parte do primeiro Se Beber, Não Case! (The Hangover). Assim, o humor "bobo" predomina, e nesse ponto ele cumpre bem o papel desse tipo de comédia, entretanto as cenas realmente engraçadas foram pouquíssimas, a maioria está no trailer, e humor inteligente quase nenhum.

Em resumo, Se Beber, Não Case! Parte II é um filme para se ver sem pretensões, e com pouco nível crítico para não se decepcionar.