Cinema: "Velozes e Furiosos 5 - Operação Rio"

Brasil, mostra a tua cara!
Por Edu Fernandes (Blog Cine Dude)


Paul Walker e Vin Diesel em uma das tantas alucinantes cenas de ação (Divulgação)

Antes mesmo de Velozes e Furiosos 5 (Fast Five) estrear no Brasil, muito já se fala dos erros que o roteiro comete ao retratar a cidade do Rio de Janeiro. Parte da imprensa e do público esperneia aos quatro ventos os absurdos da polícia corrupta mostrada no filme e a maneira "objeto-sexual-acéfalo" como as mulheres brasileiras são retratadas.

Divulgação
Universal Pictures

OK, isso não é bom para nossa imagem lá fora e há realmente erros no roteiro (os espanhóis nunca tentaram colonizar o Brasil, por exemplo). O que não podemos é ser inocentes em reconhecer que algumas coisas que Velozes e Furiosos 5 mostra são verdadeiras. Uma parcela muito grande dos policiais brasileiros são corruptos, isso é fato e não podemos esconder.

As mulheres brasileiras como objeto sexual é uma parte bem pequena, quase decorativa, do filme. O que merece ser colocado sob um holofote é outro erro factual do roteiro. Vamos a ele, então.

Na história do longa, Dom e seus amigos são foragidos da Justiça e resolvem se esconder no Rio de Janeiro. Quando chegam nas terras brasileiras, recebem a proposta de participar de um roubo de carros (claro que se trata de super-máquinas sobre rodas, como gostam os fãs da franquia). Como o dinheiro está curto e o mercado de trabalho para foragidos não oferece opções melhores, eles aceitam entrar no plano.

Os tais carrões estão alocados no vagão de um trem, o que rende uma emocionante sequência de ação. Até aí, pode parecer que está tudo bem, mas sabemos muito bem que o transporte ferroviário no Brasil não passa de uma piada de mau-gosto. A composição mostrada na tal sequência é de luxo, com assentos confortáveis, claramente destinada ao turismo.

Cartaz internacional
(Divulgação)
Nosso país fez a escolha estúpida de fomentar o transporte rodoviário, para a alegria de empresas petrolíferas. Esses trens do estilo "mochilão europeu" só fazem parte dos nossos sonhos. Se queremos viajar dentro do nosso território, temos de pegar um ônibus (e pagar pedágios caros ou enfrentar rodovias em péssimo estado) ou um avião (com preços de passagens astronômicos).

O que não entendo é por que a corrupção policial (que é verdade) causa tanta comoção e o bonitão trem de turismo (que é mentira) não seja comentado.

Acho que, antes de começar uma campanha de boicote a Velozes e Furiosos 5, é mais produtivo pressionarmos nossas autoridades para que melhorem a situação do Brasil. Quando a miséria e corrupção dos filmes que usam nossas paisagens como cenário forem mentiras, teremos moral para chiar com os produtores hollywoodianos.

O filme estreia por aqui na próxima sexta-feira, 06 de maio.

Comentários

  1. Muito Ruim! Ficou devendo muito!
    Se assistirmos o filme “com olhos americanos”, ficou devendo pq até na parte dos “pegas” e dos carros este filme pecou, pois além de ter muito pouco “pegas” o único que valeu foi o do final (apesar de fantasioso, mas fantasia faz parte de filmes, tranquilo).
    Se assistirmos o filme “com olhos brasileiros”, ai termina de ferrar! Vira Lixo total!! Além de um erro atrás do outro no que se refere ao como a banda toca realmente por aqui, mais uma vez eles se colocam como os “bans-bans” e o outro povo (neste caso, nós brasileiros) como os submissos e a escória.
    Eles não conseguiram mostrar sequer como funciona de verdade um morro do Rio tomado por traficantes, aliás conseguiram “ridicularizar” até os traficantes..kk (deveriam ter feito uma consulta com o Cap.Nascimento antes!)
    Espero que este filme tenha uma bilheteria fraca aqui no Brasil, não para afugentar novos empreendimentos do gênero, mas para que os próximos tenham maior esmero e cuidado ao “falar” de nós, e o mais importante, para que nós aprendamos a ter mais respeito por nós (e consequentemente eles por nós).
    Resumindo: Poucas cenas de corrida, poucas cenas de carros tunados, muitas falhas de roteiro, mais falhas ainda ao caracterizar o Brasil (no caso o Rio). Ruim!
    Haaaa..sim, melhor criarmos vergonha na cara logo e cobrarmos realmente de quem é de direito aqui no Brasil oque é de nosso direito!

    ResponderExcluir
  2. Seus comentários são extremamente mal informados e estúpidos.
    Os americanos escracham toda e qualquer cultura que não a deles, eles têm a "síndrome de donos do mundo". No entanto, me entristece ver uma imbecilidade como essa dita aqui por um brasileiro. Infelizmente, muitos de nós têm a "síndrome do coitadinho de mim, meu país é uma merda".
    A polícia brasileira tem corrupção como toda e qualquer força policial. O maior ou menor índice de corrupção varia conforme o salário aumenta ou reduz. Veja o índice de policiais expulsos das forças policiais americanas para saber do que eu estou falando.
    Os americanos batem, e alguns brasileiros dão a cara pra bater. Infelizmente isso é assim, por pessoas que têm o intelecto de um mico, como você.

    ResponderExcluir
  3. Caro Diego,

    Meus comentários não podem ser considerados mal informados, já que em momento algum eu forneci dados errados.
    Amo meu país. Falar dos problemas que temos não é o mesmo que ódio.
    Se sua teoria da proporção salário/corrupção fosse verdadeira, o Congresso Nacional e seus salários astronômicos seria um antro da retidão de caráter, o que não parece ser o caso.
    Nunca afirmei que os policiais estadunidenses não sejam corruptos também. Como você deve saber, a corrupção policial doméstica é tema de muitos filmes de Hollywood: "Atraídos pelo Crime" e "Os Reis da Rua", apenas para dar dois exemplos atuais.
    Não acho que eu tenha um intelecto de mico. Costumo pensar que, quando duas pessoas não concordam sobre um assunto, aquela que parte para a ignorância e usa insultos gratuitos costuma ser a menos inteligente do debate.

    Até mais,

    Edu Fernandes
    Crítico de cinema

    ResponderExcluir

Postar um comentário