Cinema: Meia Noite em Paris

Nostalgia predomina em novo filme de Woody Allen
Por Amanda Santana (Epifanias)
Carla Bruni e Owen Wilson, carisma de ambos em um filme que traz Woody Allen de volta as origens (Divulgação)
O aguardado filme do diretor Woody Allen (Vicky Cristina Barcelona), Meia-Noite em Paris (Midnight in Paris) chegou aos cinemas brasileiros nesta sexta-feira (17), com grande expectativa de público. Aclamado na abertura do Festival de Cannes, em 11 de maio, o filme é visto por críticos como o melhor do diretor nos últimos tempos.

Paris Filmes
Assim como em Vicky Cristina Barcelona, o diretor nova-iorquino, de 75 anos, retrata a cidade de Paris e seus encantos. Todo o charme da cidade é visto em detalhes durante o dia, mas é durante a noite que acontecem as grandes aventuras dessa comédia.

Gil (Owen Wilson) é um roteirista bem sucedido de Hollywood que decidiu escrever um romance. Apaixonado pela literatura, Gil está decidido a mudar os rumos de sua vida. Durante uma viagem a Paris, ele mostra-se inseguro em relação ao livro e ainda é perturbado pelas criticas da namorada Inez (Rachel McAdams), que não apoia a decisão do namorado de enveredar pelo campo da literatura, por acreditar que ele deve se dedicar a seus filmes.

Após chegar a cidade francesa, empolgado com a possibilidade de inspiração para seu romance, sente-se incomodado com a presença de Paul (Michael Sheen), amigo de Inez, e resolve sair sozinho a noite pelas ruas da bela Paris. Em busca de inspiração nas noites parisienses, o personagem mergulha em uma história cheia de aventuras.  E se depara não só com a possibilidade de encontrar um novo sentido para a vida, mas até mesmo uma nova paixão.

A originalidade do roteiro está na forma com que passado e presente se misturam. Elementos dos Anos 20 e Belle Époque tornam a história leve e sofisticada, e refletem a fixação que Gil tem com o passado. O filme traz também uma reflexão sobre o envolvimento de um escritor com sua obra, capaz de proporcionar divagações. E a inevitável abordagem sobre os efeitos da paixão é complementada pela música tema, a canção “Let’s do it” de Cole Porter.
Gil e o casal F. Scott Fitzgerald e Zelda Fitzgerald, uma viagem a decada de 20 que por sinal muito bem recriada (Divulgação)
As estimadas presenças de Carla Bruni-Sarkozy e Kathy Bates no elenco é outro ponto atrativo do longa, que traz ainda Marion Cotillard, Nina Arianda, Tom Hiddleston, Corey Stoll, Kurt Fuller e Mimi Kennedy.

Com bom ritmo e uma história cativante, Meia Noite em Paris traz novamente o humor e as tiradas irônicas que caracterizam o diretor. De acordo com os críticos, o filme é melhor do que os últimos dirigidos por Woody, Tudo Pode dar Certo (2009) e Você Vai Conhecer o Homem dos seus Sonhos (2010), mas não consegue ultrapassar o nível dos consagrados Manhattan (1979) e Hannah e Suas Irmãs (1986).

Comentários