O labirinto psicológico de "Por trás dos seus olhos" Por Vanessa França
Uma série que deixa saudades até hoje do seu jeito leve de lidar com assuntos difíceis Por Lulu Ribeiro
Com a série chegando ao fim, podemos ver que a sala dos roteiristas é escura e cheia de horrores Por Pedro Soler e Lulu Ribeiro
Novo romance "O Sol Também É Uma Estrela" também aborda problemas atuais Por Estefania Goto
Realidade e fantasia se colidem para contar a história de um dos mais celebrados autores de todos os tempos Por Lulu Ribeiro

Cinema: Meia Noite em Paris

Nostalgia predomina em novo filme de Woody Allen
Por Amanda Santana (Epifanias)
Carla Bruni e Owen Wilson, carisma de ambos em um filme que traz Woody Allen de volta as origens (Divulgação)
O aguardado filme do diretor Woody Allen (Vicky Cristina Barcelona), Meia-Noite em Paris (Midnight in Paris) chegou aos cinemas brasileiros nesta sexta-feira (17), com grande expectativa de público. Aclamado na abertura do Festival de Cannes, em 11 de maio, o filme é visto por críticos como o melhor do diretor nos últimos tempos.

Paris Filmes
Assim como em Vicky Cristina Barcelona, o diretor nova-iorquino, de 75 anos, retrata a cidade de Paris e seus encantos. Todo o charme da cidade é visto em detalhes durante o dia, mas é durante a noite que acontecem as grandes aventuras dessa comédia.

Gil (Owen Wilson) é um roteirista bem sucedido de Hollywood que decidiu escrever um romance. Apaixonado pela literatura, Gil está decidido a mudar os rumos de sua vida. Durante uma viagem a Paris, ele mostra-se inseguro em relação ao livro e ainda é perturbado pelas criticas da namorada Inez (Rachel McAdams), que não apoia a decisão do namorado de enveredar pelo campo da literatura, por acreditar que ele deve se dedicar a seus filmes.

Após chegar a cidade francesa, empolgado com a possibilidade de inspiração para seu romance, sente-se incomodado com a presença de Paul (Michael Sheen), amigo de Inez, e resolve sair sozinho a noite pelas ruas da bela Paris. Em busca de inspiração nas noites parisienses, o personagem mergulha em uma história cheia de aventuras.  E se depara não só com a possibilidade de encontrar um novo sentido para a vida, mas até mesmo uma nova paixão.

A originalidade do roteiro está na forma com que passado e presente se misturam. Elementos dos Anos 20 e Belle Époque tornam a história leve e sofisticada, e refletem a fixação que Gil tem com o passado. O filme traz também uma reflexão sobre o envolvimento de um escritor com sua obra, capaz de proporcionar divagações. E a inevitável abordagem sobre os efeitos da paixão é complementada pela música tema, a canção “Let’s do it” de Cole Porter.
Gil e o casal F. Scott Fitzgerald e Zelda Fitzgerald, uma viagem a decada de 20 que por sinal muito bem recriada (Divulgação)
As estimadas presenças de Carla Bruni-Sarkozy e Kathy Bates no elenco é outro ponto atrativo do longa, que traz ainda Marion Cotillard, Nina Arianda, Tom Hiddleston, Corey Stoll, Kurt Fuller e Mimi Kennedy.

Com bom ritmo e uma história cativante, Meia Noite em Paris traz novamente o humor e as tiradas irônicas que caracterizam o diretor. De acordo com os críticos, o filme é melhor do que os últimos dirigidos por Woody, Tudo Pode dar Certo (2009) e Você Vai Conhecer o Homem dos seus Sonhos (2010), mas não consegue ultrapassar o nível dos consagrados Manhattan (1979) e Hannah e Suas Irmãs (1986).

Comentários