Cinema: Namorados Para Sempre

Um drama para mexer com os corações apaixonados
Por Amanda Santana
Nosso amor do passado, nossas crises do presente, os dramas de um casal apaixonado com corações partidos (Divulgação)
Uma opção não muito boa para a semana do dia dos namorados, o filme Namorados para sempre (Blue Valentine) é um drama intenso demais para uma data tão almejada.

Dirigido por Derek Cianfrance, diretor experiente em filmes independentes, o longa em cartaz desde sexta-feira (10) nos cinemas brasileiros, quase três meses depois da cerimônia do Oscar, na qual Michelle Williams (A Ilha do Medo e O Segredo de Brokeback Mountain) foi indicada por sua atuação.

Paris Filmes
O drama se propõe a mostrar as dificuldades que um casal encontra depois de alguns anos de relacionamentos, e o faz de uma forma diferente.  Ele se mostra feliz como pintor de paredes, e ela uma enfermeira frustrada, que sonhava em ser médica. No início da história é possível se perceber o começo da crise no relacionamento de Cindy e Dean, interpretado por Ryan Gosling (Diário de uma Paixão), e só depois são mostrados os fatos que compõe a trajetória do casal antes da crise.

A forma inusitada em que se conheceram, mais tarde, contrasta com os rumos que a relação toma. Em alguns momentos fica difícil se entender quem está se esforçando para manter a relação. Ora ele parece dedicado e decidido a melhorar, ora parece intolerante às argumentações dela. Por outro lado, ela parece muitas vezes decidida a desistir de tudo, e em outros momentos se esforça para ser compreendida.

Os momentos de felicidade são leves e contidos, ressaltando a característica do drama. Apesar de ter assuntos pesados demonstrados em cenas inquietantes, a história se desenrola com conflitos cotidianos. Algumas cenas, mais ousadas, poderiam sem dúvida requerer uma classificação maior do que a fixada, 14 anos.  Sendo que nos EUA chegou a receber censura de 18 anos, depois modificada.

Michelle Willians e Ryan Gosnling em atuações perfeitas e convincentes (Divulgação)
Esteticamente o filme é suave, com efeitos diferentes para representar o presente e o passado dos personagens, que se alternam em muitos momentos do filme. E com as incríveis atuações de Michelle e Ryan rendeu, além da indicação da atriz ao Oscar, a indicação dos dois atores ao Globo de Ouro 2011.
A espera pelo filme foi longa, inicialmente o roteiro seria rodado em 2008, mas devido a morte do ator Heath Ledger, na época marido de Michelle, foi adiado em respeito a recuperação da atriz.

A estratégia de lançar o filme, de produção independente, na semana do dia dos namorados é complementada pela a escolha do título em português e pelo cartaz de divulgação que traz a frase: “Quando o amor estava se perdendo a paixão voltou para atraí-los”. Entretanto, quem esperar sair da sessão com ar de apaixonado, pode ser surpreendido por um efeito inverso.





Comentários