Cinema: Glee 3D - O Filme

Inspirado pelo seriado adolescente de maior sucesso da atualidade, Glee 3D - O Filme, não passa de uma sucessão de erros
Por Paulo Costa


Divulgação/Fox Films
A demanda de produções em 3D é algo que não para de crescer nos planos dos estúdios de cinema dispostos a faturarem dinheiro a mais em produções que se lançadas a um tempo atrás não fariam tanta bilheteria, porém o uso abusivo dessa tecnologia tem se tornado algo inconveniente e até mesmo desnecessário.

Adaptações e filmes inspirados em algo que está em alta, faturando rios de dinheiro também já lotam as gavetas das produtoras a espera de um sinal verde, e quando o $ grita, o estúdio autoriza a se fazer qualquer coisa em busca de mais e mais dinheiro, e o abuso dessas adaptações se tornam as vezes desnecessárias também.

Glee 3D - O Filme (Glee 3D The Concert Movie) que chega as cinemas do país nesta sexta (16), é o erro dos excessos das duas descrições citadas acima, além de mais algumas sucessões de erros que fazem com que qualquer pessoa, que não seja um "loser" fã de Glee se contorcer na poltrona do cinema com tanta inutilidade em um só lugar.

O erro já começa pela Fox Films, distribuidora do longa e do seriado, optar por lançar o produto somente em áudio dublado, o motivo ainda é desconhecido, mas fã que é fã pagaria pra ver independente do áudio, então se alguém souber me responder o motivo de uma escolha insensata como essa eu agradeceria muito.

Quem já viu o trailer com certeza se animou com a ideia, pois até eu fiquei um pouco entusiasmado ao ver o trabalho e cheguei até a me interessar pela série, porém o trailer funciona, chama a atenção, mas vende um produto falso. Glee 3D não é apenas o show + backstage como mostram ali, ele inclui um lado documentário "motivacional" não apresentado no trailer.

Algumas canções são boas e até legais na voz do elenco, pena que o resultado final seja o oposto (Divulgação)

Deixe-me explicar, entre uma música e outra o diretor Kevin Tancharoen (do simpático remake de Fama) resolveu por incluir depoimento de pessoas, os famosos Gleeks, que tiveram suas vidas transformadas por conta do seriado, são depoimentos como o da garota com transtornos (TOC) que saiu de casa para ver o show do Glee, o do gay que saiu do ármario por causa do Kurt, personagem gay do seriado, ou então a história bonitinha e bizarra da anã que virou cheerleader e rainha do baile de formatura.

Porém todos os depoimentos soam forçados e até mesmo mentirosos, são história, não duvido que realmente possam ter acontecido, mas o exagero fala mais alto e parecem contos de fadas com final mágico, e sabemos que a vida principalmente pra quem é vitima de bullyng não é bem assim.

Outro grande pecado está nas músicas, algumas canções eu ouço, gosto, e no caso de algumas delas como o "hino" Don't Stop Believing que abre o show, está toda cortada, e é muito ruim ouvir uma música retalhada, sem levar em consideração na legendagem das músicas, nesta o trecho "Streetligh, people" é traduzida como "pessoas da noite", mas há uma virgula entre as duas palavras e serviria como uma referencia do cenário em que os personagens se encontram "Luzes da rua, pessoas" ou então na música Raise Your Glass da cantora P!nk em que "Dirty little freaks" vira algo fora do contexto que eu nem faço questão de me recordar.

Umas das únicas partes boas do show "Sing" onde a legendagem erra quase nada (Divulgação)

Mas a gafe maior do filme é que, como se já não bastasse o show ser todo retalhado (na trilha oficial são 23 músicas e nem todas são mostradas e muitas nem são tocadas na integra como dito no trecho acima), a conversão para 3D limita-se apenas à cenas do show, sim, boa parte do documentário, backstage e depoimentos são em 2D, se duvidar não temos nem metade de sua duração total em 3D (tirem os óculos e verão por conta própria).

Talvez a única coisa engraçadinha seja o garotinho que se entitula mini Warbler e ganha uma cena especial durante os créditos.

Erros e mais erros resultam em algo que realmente, só os fãs vão gostar e com certeza vão me criticar por esse texto, mas como a professora de educação física, Sue Sylvester, diz no final do trailer: "Por favor, economize seu dinheiro. É uma porcaria.", eu resumo toda a minha critica nessa sentença e faço delas as minhas palavras finais.

Elenco reunido em première, reparem como eles parecem bem mais velhos, em especial Kevin McHale (segunda da direita pra esquerda) que interpreta Artie, o cadeirante, irreconhecivel (Divulgação)
Obs: Glee 3D está sendo lançado "por tempo limitado", vamos ver por "quantas arrecadações de bilheteria" ele fica em cartaz!

Comentários

  1. Realmente é muito ruim! Teria sido melhor se só houvesse o show, completo, sem retalhos de música, salvo os medleys já tradicionais. A tradução é uma afronta àqueles com níveis mínimos de inglês. Já na abertura "Hello everybody!" vira "Olá, Los Angeles!" enquanto "Dirty little freaks" vira "valentões sujos" [?] Por outro lado os vocais estão ótimos! Melhores ainda dos da série, com exceção da performance da Paltrow que achei, em particular, muito fraca.

    ResponderExcluir

Postar um comentário