O labirinto psicológico de "Por trás dos seus olhos" Por Vanessa França
Uma série que deixa saudades até hoje do seu jeito leve de lidar com assuntos difíceis Por Lulu Ribeiro
Com a série chegando ao fim, podemos ver que a sala dos roteiristas é escura e cheia de horrores Por Pedro Soler e Lulu Ribeiro
Novo romance "O Sol Também É Uma Estrela" também aborda problemas atuais Por Estefania Goto
Realidade e fantasia se colidem para contar a história de um dos mais celebrados autores de todos os tempos Por Lulu Ribeiro

Resenha: Climax


Gaspar Noé ousa mais uma vez ao tornar a fragilidade da mente humana a personagem principal em novo filme
Por Pedro Soler

A década é a de 90. Os personagens, dançarinos experientes e habilidosos. O local, o meio de uma floresta. Estes elementos, que parecem combinar mais com um filme de terror, se transformam em uma desconcertante jornada à histeria coletiva em que o espectador ora ri, ora se incomoda com a alta dose de realidade. E está tudo bem, afinal, somos humanos.

Depois de um ensaio, um espetáculo maravilhoso que temos o prazer de presenciar, há uma festa com muita música, dança e sangria. Nesta festa, os dançarinos conversam e interagem entre si de um modo tão descontraído que lembra intimidades trocadas entre melhores amigos, nos permitindo julgá-los. Talvez, me atrevo a dizer, a intenção tenha sido essa: nos fazer julgá-los por suas opiniões íntimas compartilhadas entre copos de sangria. Passado algum tempo, cada um deles que tomaram a sangria começam a se fragilizar, tomando consciência de que havia alguma droga na bebida.

É aí que o filme passa a fase inicial de apresentação e recepciona a personagem principal que chega derrubando portas e destruindo (ou não?) tudo por onde passa. Utilizando a droga como estopim, a histeria e o caos se instauram. Os dançarinos, até então munidos de todas as proteções que a mente humana nos oferece, se encontram despidos de tais seguranças e escravos de suas inseguranças, desejos e neuras. E todo aquele julgamento que fizemos em um primeiro momento cai por terra. Ao vermos os dançarinos sem as máscaras sociais, somos obrigados a reavaliar nossas opiniões.

Já a câmera é um trabalho de imersão à parte feito com maestria. É ela quem nos conduz entre os personagens, flutuando até onde há mais tensão e conflitos. Além dessa função de guiar-nos pela festa, ela também é utilizada como um recurso de storytelling. Impossível explicar sem spoiler, mas garanto que, quando vocês verem, vão entender.



A sonoplastia também nos marca no decorrer do filme. Como se trata de uma festa, podemos esperar um som alto com batidas fortes. Mas a sutileza em permitir que as músicas ditassem o ritmo do longa, se intensificando conforme ele passa, contribui para uma experiência única ao vê-lo no cinema. Não percam a oportunidade de assistir o vencedor da Quinzena dos Realizadores do último Festival de Cannes, principalmente se procura uma experiência mais intensa do que o cinema tradicional nos oferece nos dias de hoje.

O elenco conta com Sofia Boutella ("A Múmia", "Atômica"), Souheila Yacoub ("Plus Belle La Vie", "Les Affamés"), Romain Guillermic ("Elektro Mathematrix"), Claude-Emmanuelle Gajan-Maull ("Les engagés", "Charbon"), o DJ Kiddy Smile e vários dançarinos escolhidos pelo próprio diretor na França, como Lea Vlamos, Kendall Mugler e Sharleen Temple.

Veja o trailer a seguir:




Comentários