O labirinto psicológico de "Por trás dos seus olhos" Por Vanessa França
Uma série que deixa saudades até hoje do seu jeito leve de lidar com assuntos difíceis Por Lulu Ribeiro
Com a série chegando ao fim, podemos ver que a sala dos roteiristas é escura e cheia de horrores Por Pedro Soler e Lulu Ribeiro
Novo romance "O Sol Também É Uma Estrela" também aborda problemas atuais Por Estefania Goto
Realidade e fantasia se colidem para contar a história de um dos mais celebrados autores de todos os tempos Por Lulu Ribeiro

Resenha: A Favorita




"A Favorita" já conquistou premiações por conta de seu retrato realista e intrigante da vida na corte inglesa
Por Lulu Ribeiro


Fui assistir "A Favorita", aposta da FOX para as premiações e já vencedora do Globo de Ouro de Melhor Atriz em Filme Musical ou Comédia para Olivia Colman e pelo Critics Choice Award de Melhor Elenco, além de receber 10 indicações aos Oscar. e que montanha-russa de emoções!

O filme de Yagos Lanthimos segue a história da Rainha Anne (Olivia Colman) e das primas Lady Sarah Churchill (Rachel Weisz) e Abigail Masham (Emma Stone) no início do século 18.

A Inglaterra está em guerra com a França e isto se reflete nas paredes do castelo onde a nobreza passa seu tempo vendo patos correrem e comendo frutas exóticas. No meio disso, temos o relacionamento de Sarah com a rainha Anne: enquanto a monarca da Inglaterra tem uma saúde fragilizada, sofrendo com dores constantes, e é completamente relapsa com sua dieta, Sarah cuida de sua rainha com palavras duras e carinho.

Sendo a favorita da rainha, Sarah tem seus pontos de vista em relação a guerra ouvidos e ajuda Anne a governar e a lidar com a imposição da corte. Neste cenário, surge Abigail, prima distante de Sarah que procura um emprego, mas que secretamente alimenta a ambição de ter novamente seu status na nobreza. As duas primas entram em conflito tentando ganhar a afeição da rainha, numa guerra velada entre casamentos apressados, coelhos, envenenamentos e tiros no jardim do palácio.

Durante os 119 minutos de filme é impossível não sentir compaixão e desconforto com a história sendo contada. Em muitos momentos escolhia um lado que achava mais correto quando, no final, não existem lados corretos. Todas as personagens têm um passado que as assombra e todas tentam compensar no presente de alguma maneira.

O filme, muitas vezes passivo-agressivo, entrega a maioria dos comentários e alfinetadas entre as personagens de modo sutil, sendo um alívio cômico quando são explícitos. Essa característica veio dos incríveis roteiristas Deborah Davis e Tony McNamara que realmente leram cartas históricas para saber como essas mulheres mantinham seu relacionamento, um detalhe que faz toda a diferença. De todas as atuações, Olivia Colman é a que merece mais destaque. Ela está simplesmente incrível como a Rainha Anne, roubando todas as cenas em que aparece. É incrível ver a transformação dela de cena para cena, se sentindo amada e confiante para completamente perdida e triste no momento seguinte, mostrando que mereceu (e muito!) o Globo de Ouro que recebeu.



Apesar de ter gostado muito da história dessas três mulheres incrivelmente fortes, cada uma de sua maneira, o filme tem um ritmo extremamente lento que, muitas vezes, nos faz divagar um pouco e até mesmo perder a atenção. Ele realmente é o tipo de filme que precisa decantar um pouco dentro da nossa cabeça. Apesar de não ser o meu favorito (haha), é um filme maravilhoso sobre amor, paixão, poder e ter cuidado com o que desejamos.

Confira o trailer a seguir:




Comentários

  1. Gostei da resenha..... E sempre bom ir assistir um filme ja sabendo um pouco sobre ele.
    Irei assistir com certeza!

    ResponderExcluir
  2. Depois de ler que essa rainha perdeu mais de 10 filhos, deu pra entender o porque ela é dessa forma. A atuação é incrível.

    ResponderExcluir

Postar um comentário