Cinema | Alpha Filmes inaugura Cine Drive-In em Barueri
Play | "Mulan", por Paulo Costa (Resenha)
Music | Alan Parker e "The Commitments - Loucos Pela Fama", por Rodrigo Fidalgo (Resenha)
Séries | "Boca a Boca", por Jurandir Vicari (Resenha)
Literatura | Chegou ao Brasil a nova fase dos Mutantes mais famosos da Marvel
Replay | "Whisky", por Rodrigo Fidalgo (Resenha)
Play | "SCOOBY! O Filme", por Jurandir Vicari (Resenha)

Resenha: Vice


Com humor ácido e maquiagem impressionante, "Vice" relata a verdade de um dos tempos mais sombrios da política dos EUA 
Por Helen Nice

Não é à toa que, divulgada a lista dos indicados ao Oscar 2019, “Vice” do diretor Adam McKay (“A Grande Aposta”) está na disputa em 8 categorias e Christian Bale ganhou um Globo de Ouro por Melhor Ator em Comédia ou Musical.

A história que conta o que aconteceu nos bastidores de uma das épocas mais conturbadas e polêmicas do governo dos EUA - o governo de George W. Bush (aqui vivido por Sam Rockwell) - deve ser forte candidato à melhor ator e maquiagem, pois Christian Bale (o Batman da trilogia Nolan) está irreconhecível no papel do nada popular vice presidente Dick Cheney.

Dick Cheney só entrou na faculdade graças à ajuda da namorada, porém mais bebia e farreava com os amigos que estudava, até que foi expulso. Já casado com Lynne Cheney (Amy Adams), Dick continuava sem juízo e fanfarrão até que Lynne lhe deu um ultimato e o fez mudar de vida. A partir daí, começou sua carreira política, sempre de forma sorrateira, chegando a Chefe de Gabinete da Casa Branca na década de 70 e Secretário de Defesa entre 1989 e 93.

Quando tinha tudo para tentar a candidatura à presidência, um fato particular com relação à opção sexual da filha o fez desistir da carreira e quase o redime de seus erros. O filme brinca com este "final" e quase engana o público.

Convidado por Bush para ser seu braço direito, ele reescreve a premissa que diz que "vice só fica sentado esperando o presidente morrer" se tornando a peça chave de todas as grandes manobras políticas de retaliação aos atentados ocorridos em 11 de setembro e na chamada Guerra ao Terror.



O filme trata com humor ácido e sarcástico um período obscuro da história americana. Até mesmo o narrador, que só justifica sua presença quase no final, trata com ironia sua importância na vida de Cheney. Piadas sobre o mundo político sempre rendem algumas premiações. Um bom filme que estréia dia 31 de janeiro pela Imagem Filmes.

Ahhh!! Assista os créditos até o final… você não vai se arrepender!

Confira o trailer: