Globo de Ouro 2021 | Conheça os indicados
Cinema | "Bela Vingança", Resenha por Paulo Costa
Cinema | "Nomadland", Resenha por Paulo Costa
Cinema | "Os Pequenos Vestígios", Resenha por Paulo Costa
Play | "Palm Springs", Resenha por Paulo Costa
Play | Para ver na Apple TV+: "Wolfwalkers", Resenha por Jurandir Vicari

Play | Para ver na Apple TV+: Wolfwalkers (Resenha por Jurandir Vicari)



Apple TV+ aposta na famosa "animação para crianças" mas com reflexões para os adultos

Por Jurandir Vicari | Revisão Paulo Costa



O Brasil tem como o mais popular serviço de streaming a Netflix, mas isso não quer dizer que seja o único e nem o mais completo, temos interessantes opções como Globoplay, Telecine Play, Amazon PrimeVideo, Disney+, mas hoje teremos dica de uma animação linda que está no catálogo da Apple TV+.

"Wolfwalkers" é uma animação toda feita no melhor estilo clássico: o 2D. Sem grandes efeitos especiais, a obra prende pela simplicidade e, como uma flecha, atinge em cheio os corações. Os desenhos não tem profundidade parecendo ser uma animação antiga o que reforça a ideia de um conto de fadas, sim um conto de fadas original que se vê pela primeira vez.

Os responsáveis são os já premiados Tomm Moore, que trabalhou em "Uma Viagem ao Mundo das Fábulas" (2009) e "A Canção do Oceano" (2014), sendo que ambos concorreram ao Oscar de Melhor Animação, em parceria com Ross Stewart, parceiro de longa data que já trabalhou com Tomm na direção de arte dos filmes citados anteriormente.



A ambientação do conto é na pequena cidade de Kilkenny, que para minha surpresa existe de verdade e foi cenário da série "Games of Thrones". Ela fica a 130 km de Dublin, na Irlanda. Por possuir um castelo, ser rica em história e arquitetura medieval e mundialmente conhecida pelo artesanato, é o palco perfeito para uma boa história medieval, com todos esses predicados a escolha da locação não poderia ser melhor.

Uma vez localizados na geografia, vamos ao contexto histórico. Vemos através de diversos personagens que a Inglaterra começa a exercer seu poderio, afastando os costumes do local e impondo sua religiosidade aos moradores. Nesse contexto surge a sonhadora Robin, uma menina sonhadora que perdeu a mãe e deseja ser caçadora como o pai. Seu sonho não é bem visto por ele e muito menos pela sociedade que a empurra pra uma vida de trabalhos domésticos que a sufocam e deprimem, mas que a todo momento lhe são lembrado que "O trabalho enobrece o homem". E ela segue fazendo para agradar o pai e o resto da cidade, mesmo que seu desejo seja correr livre pela floresta.



A trama é assinado por Wiill Colllins, que já havia trabalhado com Tomm nos projetos citados anteriormente, além de ser conhecido por escrever também o roteiro de "Um Presente de Natal de Angela" (Netflix). Para esta obra ele teve a consultoria de Jericca Cleland que já trabalhou em animações de peso como "Procurando Nemo" e "Toy Story 2". Juntos misturam temas atuais como ecologia, o avanço das cidades sobre as florestas, a dominação cultural e dos hábitos e costumes por países mais ricos, a intolerância religiosa e o assédio no ambiente de trabalho, tudo isso se passando na idade medieval, em meio aos licantropos.

Como já deu pra perceber apenas pelo título, sim, teremos pessoas que caminham com os lobos ou são lobos quando dormem. A menina que andava na floresta com lobos, será que é uma deles? Ela era julgada como bruxa pelos soldados da cidade, e na floresta ela se sentia livre e feliz. Nos fazendo repensar o que é o progresso? Viver apertado num apartamento ou viver em contato com a natureza como os índios? Você terá que assistir pra descobrir e também poder refletir.

Dito tudo isso, não acho difícil que este seja mais um trabalho da dupla Tom Moore/Ross Stewart indicado ao Oscar, seja pela sua beleza estética, mas também porque "Woolfwalkers" é um daqueles "desenhos pra crianças" mas que traz muitas lições aos adultos, é imperdível.