Menu

Cinema | Conversamos com os produtores, elenco e diretor de "Halloween Kills"
Cinema | "007 - Sem Tempo Para Morrer", por Paulo Costa
Play | Novos astros se unem ao elenco de "House of the Dragon"
Music • Cinema | Sony lança trilha sonora de "Venom - Tempo de Carnificina"
Cinema | Denis Villeneuve e Donald Mowat comentam sobre a caracterização dos personagens de "Duna"
Cinema | Universal Pictures divulga trailer do musical "Cyrano"
Cinema | Figurinista Emily Gunshor comenta minucioso trabalho em "Halloween Kills"

Cinema | Conversamos com os produtores, elenco e diretor de "Halloween Kills"

 


Legado, desafios da produção e protagonismo feminino foram as principais pautas desta conversa

Por Paulo Costa


A convite da Universal Pictures, tivemos a honra de participar da Global Press Conference do aguardado "Halloween Kills: O Terror Continua". Durante esta coletiva, tivemos a oportunidade de conversar com os produtores Malek Akkad e Jason Blum, com o diretor e roteirista David Gordon Green, além das atrizes Jamie Lee Curtis, Andi Matichak e Kyle Richards, o ator Anthony Michael Hall também estava presente.

Neste longa, que funciona como um complemento do longa lançado em 2018, e também como uma sequência direta do clássico original de 1978. A trama se passa na mesma noite, logo após Laurie Strode (Jamie Lee Curtis) acreditar que enfim venceu Michael Myers. Minutos depois de deixar o assassino queimando, Laurie vai direto para o hospital com ferimentos graves de vida ou morte. Mas quando Michael consegue escapar da armadilha, sua vingança e desejo por um banho de sangue continua. Enquanto Laurie luta contra a dor em um hospital, desta vez serão os sobreviventes dos ataques de Michael Myers quarenta anos atrás, que mobilizarão toda a cidade de Haddonfield, em uma brutal caçada ao assassino, e fazer justiça com as próprias mãos. 

O produtor Malek Akkad comentou sobre as dificuldades em produzir este filme | Divulgação


Diante deste retorno dos personagens trazidos direto do clássico original, perguntamos ao produtor Malek Akkad qual a maior responsabilidade e dificuldade em produzir um filme tão importante como "Halloween Kills", considerando o legado da obra-prima de 1978, ainda mais sendo filho de Moustapha Akkad, um dos principais responsáveis pela produção do primeiro longa da franquia. Depois de uma pequena pausa, ele nos responde:

"Boa pergunta. É muito difícil comparar qualquer sequência ao original, John Carpenter sempre disse que é um padrão muito alto". Para relatar este desfio ele relembra quando começou a trabalhar na franquia "eu comecei a trabalhar no 'Halloween 4', eu era apenas um assistente de produção e, você sabe, um assistente de produção que não tem absolutamente nenhuma responsabilidade. Então talvez eu tenha sentido falta disso um pouco", e complementa "mas a responsabilidade realmente é com os fãs, com o legado que John começou, obviamente com a equipe, com o elenco, e você, às vezes, não alcança este sucesso. Você está sempre se esforçando para fazer algo que mantenha aquele alto padrão que John Carpenter e Debra Hill fizeram, o que eles produziram no filme de 78 estava simplesmente estabelecendo um padrão muito alto.". Já em tom satisfatório ele finaliza "E, felizmente, nós temos um diretor, elenco e equipe maravilhosos e incríveis que eu acho que realmente elevou as novas alturas."

David Gordon Green nos contou sobre os desafios da produção, retorno de personagens clássicos e o que esperar do próximo filme | Divulgação


Para David Gordon Green, diretor e também um dos responsáveis pelo roteiro ao lado de Scott Teems, as dificuldades são ainda maiores "A dificuldade está na oportunidade e como você faz isso, como você encontra uma forma de honrar o legado e a originalidade dos personagens que John e Debra Hill criaram e trazer os fãs para a conversa e para aproveitar o filme, mas também abri-lo para novos fãs, da nova geração, para as pessoas que estão menos familiarizadas." e conclui "Portanto, não pode ser apenas um fan service. Tem que ser uma narrativa que seja satisfatória. E foi assim neste último filme, colocamos todos os nossos esforços para fazer isso, para minimizar essa exposição e aumentar o entretenimento delas com o filme."

Ainda sobre os desafios em dar continuidade a uma saga tão significativa para o gênero, o produtor Jason Blum nos responde "Os desafios são semelhantes ao que David disse. As pessoas têm uma conexão emocional muito profunda com isso. Eles têm uma opinião muito séria sobre o que os filmes seguintes deveriam ser, e eles discordam entre si, então você não pode fazer todo mundo feliz.".

Jason Blum relatou como é estar presente na produção de um filme importante como este | Divulgação


Sobre já possuir uma carreira consolidada no universo do cinema de terror, onde a Blumhouse é hoje o maior nome por trás das novas obras do gênero, questionamos se esses desafios são ainda maiores e Blum conta: "Eu acho, você sabe, minha contribuição para a franquia foi realmente escolher David para ser o padrinho criativo desses três filmes." e aproveita para elogiar o cineasta "E David, como um tipo de líder destemido levou muito isso em consideração, até mesmo o que as pessoas já  envolvidas com o filme, com o próprio filme como John Carpenter e Jamie Lee Curtis, e Malik, e Todd da Miramax, a Blumhouse, onde há muitos vozes diferentes, David conseguiu explorar todos esses cérebros sem que houvessem brigassem uns com os outros e conseguiu tirar o melhor de cada um." e finaliza "Ele criou um ambiente onde todos trabalhamos juntos e confiamos uns nos outros. E eu acho que ele conseguiu, mas sim, é definitivamente uma coisa que provoca ansiedade."

Em relação a resgatar personagens do original, David Gordon Green nos conta de onde partiu essa ideia: "Sinto como se tivéssemos a confiança do público e pudemos então resgatar os personagens, o legado, a comunidade de Haddonfield, o caos, o medo e outras perspectivas, para este filme."

Kyle Richards que retorna como Lindsey comenta sobre o protagonismo feminino | Divulgação


Se tratando do retorno de alguns personagens, a atriz Kyle Richards retorna tantos anos depois em "Halloween Kills" com a personagem Lindsey, mas agora com um filme que carrega uma diversidade e um protagonismo feminino muito maior. Aproveitando esta deixa questionamos como é para ela ver este protagonismo no longa? Entusiasmada nos responde: "Bem, eu simplesmente amo muito isso, eu venho de uma família com muitas mulheres, tenho quatro filhas. Então, para mim, você sabe, ver personagens femininas fortes, eu amo muito. E vê-las destemidas e enfrentando Michael Myers, eu prefiro muito mais ver isso, do que uma  donzela em perigo."

Ainda sobre este protagonismo, outra mulher forte presente trama é a personagem Allyson, neta de Laurie Strode. Vivida pela atriz Andi Matichak, de 27 anos, aproveitamos para perguntar como foi para ela se envolver em um projeto como esse, considerando o legado que ele carrega. Ela brinca "Eu ainda me belisco, é isso que eu faço" e, com um sorriso ela nos responde "Sinto que eu deveria estar envolvida neste projeto. É inacreditável e muito, muito especial poder fazer parte de todo esse legado. E ela (se referindo a sua personagem) consegue fazer parte desse legado ao lado de Jamie Lee Curtis, ao lado do elenco e do grupo de pessoas envolvidas."

Andi Matichak expressou sua gratificação em estar num projeto cujo legado é tão significativo | Divulgação


Finalizando as entrevistas, em relação ao que podemos esperar do próximo longa, David Gordon Green é muito cauteloso: "Então, no que diz respeito ao 'Halloween Ends', ele já foi escrito, está sendo produzido, está sendo preparado agora. E, sem dar spoilers, é a nossa maneira de pegar a loucura épica das mortes de 'Halloween' e trazê-la a um resultado mais íntimo."


"Halloween Kills: O Terror Continua", chega aos cinemas de todo o pais nesta quinta-feira, 14 de outubro.


*Todas as respostas presentes neste texto são referentes as perguntas realizadas por Paulo Costa para o CINEeCIA.