"Batem à Porta", novo longa de M. Night Shyamalan ganha trailer intrigante
"Moonage Daydream" continua em cartaz nos cinemas brasileiro
"I Wanna Dance With Somebody" tem empolgante trailer divulgado
"Dark Web: Cicada 3301", suspense estreia no digital
Sandman: Das HQs para as telas de todo o mundo, por Jackie Cristina

Cinema | "Coração de Neon" conquista premiação máxima no WorlFest Houston

A produtora Rhaissa Gonçalves com o Remi Special Juri Award | Divulgação / IHC


Longa metragem é a primeira produção do cinema nacional feita com a tecnologia de som imersivo Dolby Atmos 9.1, uma evolução do surround


O longa-metragem curitibano "Coração de Neon" desembarcou no Texas (EUA), na semana passada, concorrendo a um Remi Award. Mas a grande surpresa veio na noite do último sábado, 23 de abril, quando o filme conquistou a mais alta premiação do 55º WorldFest Houston, realizado no Cinemark Memorial City, em Houston, no estado do Texas (EUA). Os produtores Lucas Estevan Soares e Rhaissa Gonçalves receberam o troféu Remi Special Jury Award (Prêmio Especial do Júri), diretamente do dono do festival, Hunter Todd.

O festival anual, que já revelou nomes como Steven Spielberg e Ang Lee, tem a vocação de revelar e validar a excelência criativa na produção independente de de filmes de longa metragem, documentários e curtas-metragens. E "Coração de Neon" atravessou as diversas etapas de classificação.

Em 2022, o WorldFest recebeu quase 5 mil inscrições, de produções vindas do mundo todo. Pouco menos de 80 longas-metragens e cerca de 130 curtas foram selecionados para exibição aos jurados e público em geral.

"Coração de Neon" tem estreia prevista no Brasil em dezembro e traz um marco histórico para o cinema nacional. É o primeiro filme brasileiro a ter a tecnologia de som imersivo Dolby Atmos 9.1. O Brasil já tem cerca de 40 salas de cinemas preparadas com a tecnologia. No entanto, apenas filmes estrangeiros exibidos no país tinham o som imersivo Dolby Atmos.


Da esquerda para a direita: Hunter Todd, dono do WorldFest Houston, e Lucas Estevan Soares, produtor do "Coração de Neon" | Divulgação, IHC